MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Fogo Cruzado

Audiência trata do projeto de produção de fosfato em Lavras do Sul

Em 09/06/2022 às 08:56h

por Redação JM

Audiência trata do projeto de produção de fosfato em Lavras do Sul | Fogo Cruzado | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Foto: João Ferrer

Acompanhado de prefeito de Lavras do Sul, Sávio Prestes, dos vereadores da cidade, Neto Viana (PT) e Adilson Seixas (PDT) e do CEO da Águia Fertilizantes, Fernando Tallarico, o deputado Luiz Fernando Mainardi conversou com a secretária estadual do Meio Ambiente, Marjorie Kauffmann, o presidente da Fepam, Renato Chagas, e o secretário-executivo da Secretaria de Desenvolvimento, Joel Maraschin, na tarde de terça-feira, dia 7, para tratar do autorização para a implantação do projeto Fosfato Três Estradas, em Lavras do Sul.

O projeto pretende produzir 300 mil toneladas de fosfato em mina a ser instalada na localidade de Três Estradas, na área rural de Lavras do Sul. Até agora, segundo os responsáveis da empresa, já foram investidos algo em torno de R$ 80 milhões. Outros R$ 35 milhões estão previstos para a primeira fase, que deve durar cerca de 18 anos. Em tramitação desde 2011, o projeto foi modificado em 2019 para se adequar às exigências de proteção ambiental. A nova proposta prescinde de utilização de recursos hídricos, não produzirá rejeitos e não terá barragens, além de ter um consumo reduzido de energia.

“A unidade de beneficiamento contará com planta para produção de energia fotovoltaica e foi projetada tendo como premissa o conceito zero energia, zero água e zero carbono, seguindo padrões contemporâneos de sustentabilidade”, explica Tallarico. “Estamos fazendo nossa parte. Agora, aguardamos a liberação das licenças para realizar as obras”, diz.

Para Mainardi, trata-se de um empreendimento que terá importância para a região, para o Estado e até para o Brasil, porque o fosfato é uma matéria-prima essencial para a produção de fertilizantes. “A atual conjuntura internacional nos faz ver a dimensão deste projeto. O Brasil precisa superar uma dependência, que pode restringir nossa produção. Temos aqui no nosso quintal algo que vai ajudar todo o país. É para todo mundo comemorar”, sustenta. Ainda, segundo o deputado, o projeto está adequado às mais altas exigências de proteção ambiental e vai gerar emprego, renda e desenvolvimento com baixo impacto no bioma. “Todos temos preocupações com a proteção ambiental e ficamos felizes quando vemos um projeto que combina desenvolvimento e defesa da natureza”, diz.

Conforme informações obtidas na audiência, a Fepam está analisando as respostas da empresa a um questionário que foi enviado em meados de abril e deve ter um retorno sobre a Licença de Implantação nos próximos meses.

Galeria de Imagens
Leia também em Fogo Cruzado
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 99971-9480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br