MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

ELLAS

Função Paterna

José Renato Salim Morais | Terapeuta Corporal, Especializando em Psicologia Corporal no Centro Reichiano

Em 14/08/2021 às 19:31h
Viviane Becker

por Viviane Becker

Função Paterna | ELLAS | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Somos fruto da união dos gametas feminino e masculino, o óvulo e o espermatozóide se encontram em um ato de amor e nascemos. Assim se origina o ser humano, que primeiro passa pelo útero da mãe, depois pelo colo da mãe, e só então ele irá conhecer o diferente da mãe, o amor do pai, o masculino, na função paterna.

A função não tem haver com ser mulher ou homem, mas com o que a criança está precisando em determinado momento, por isso pode - e deve - ser feita pelos dois.

A função materna é quem vai proteger, cuidar, nutrir com alimento e afeto. A mãe é quem autoriza a função paterna, responsável por dar limites, ajudar o filho a se aventurar, ir para a vida e se conectar com o mundo lá fora.

Na ausência dos pais, as funções paterna e materna devem ser feitas pela família, ou uma comunidade, onde as crianças têm mais de um modelo e pessoas que exercem essas funções, ou no caso de uma relação homossexual, onde um dos dois indivíduos assume as funções paterna ou materna. 

É como se fossem nossas duas pernas: com uma nos relacionamos, e com a outra nos aventuramos e ganhamos dinheiro. Precisamos das duas pernas para não sairmos rengueando ou pulando como saci-pererê por aí.

O pai pode exercer a função materna e a mãe a função paterna, porém, é como calçar botas trocadas. Podemos caminhar, mas será desconfortável e estranho. Por isso, uma função não substitui a outra.

Para exercer a função paterna o pai deve:

Ser um modelo no relacionamento, sendo presente e mostrando aos filhos que a mãe deles também é esposa dele. Isto é importante para o filho saber que não é o rei.

Ao retornar do trabalho, precisa estar presente emocionalmente para os filhos, e não apenas suprir financeiramente a casa.

Para a filha, é o pai que mostrará o que é um homem, sendo modelo que ela observou, escutou, elogiou e foi de confiança. Mas na função de pai, não na função de homem.

Apresentar diferentes possibilidades de profissão para que o filho escolha a que gosta mais, e não a que o pai deseja. Quando o pai diz: “Eu adoraria que você fizesse…”, o pai torna difícil o filho escolher outra carreira.

Filhos que recebem a função paterna vão crescendo e se espelhando para criar um modelo e seguir em frente com segurança. O importante é dar aos filhos o que eles precisam para fluírem na vida.

José Renato Salim Morais | Terapeuta Corporal, Especializando em Psicologia Corporal no Centro Reichiano - ABTHBR 2623 - @j.renatomorais

Galeria de Imagens
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 99971-9480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br