MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Fogo Cruzado

Centrais sindicais negociam com o Estado reposição da inflação ao piso regional

Em 10/06/2022 às 16:15h

por Redação JM

Centrais sindicais negociam com o Estado reposição da inflação ao piso regional | Fogo Cruzado | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Secretário-chefe da Casa Civil recebeu representantes de centrais sindicais na sexta-feira / Foto: Divulgação

Em reunião ocorrida na manhã desta sexta-feira, dia 10, com o secretário-chefe da Casa Civil, Artur Lemos Júnior, no Palácio Piratini, as centrais sindicais no Rio Grande do Sul reafirmaram a reivindicação de reajuste de 15,58% para o salário mínimo regional deste ano. O índice repõe as perdas inflacionárias de 2021 até janeiro de 2022 e o percentual correspondente a 2019, que não foi pago em 2020.

Os dirigentes da CUT, CTB, Intersindical e Federação dos Trabalhadores Assalariados Rurais (Fetar-RS) defenderam a reposição da inflação e o envio de um projeto de lei, em regime de urgência, para a Assembleia Legislativa. Isso garantirá a votação no prazo de até 30 dias, evitando a demora verificada no ano passado, quando foi votado somente em dezembro. Além disso, há o atual processo eleitoral que impacta o funcionamento do legislativo.

O secretário de Organização e Política Sindical da CUT-RS, Claudir Nespolo, ressaltou que a data-base do chamado piso regional é 1º de fevereiro e o governo Eduardo Leite / Randolfo Vieira Jr. (PSDB) está outra vez atrasado no encaminhamento do projeto aos deputados.

A reivindicação foi entregue pelas centrais em fevereiro, tendo sido recebida em mãos pelo então secretário do Trabalho, Emprego e Renda, Ronaldo Nogueira, e pelo secretário do Planejamento, Orçamento e Gestão, Cláudio Gastal. Cerca de 1,5 milhão de gaúchos e gaúchas recebem o piso regional.

Mais baixo piso regional do Sul

Claudir salientou que o Rio Grande do Sul é o único estado do Sul do Brasil que ainda não concedeu reajuste em 2022, além de ter o mais baixo piso regional. Segundo estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o RS paga atualmente R$ 1.305,56 para a menor faixa salarial, enquanto o valor em Santa Catarina é de R$ 1.416,00 e no Paraná é de R$ 1.617,00.

“Não podemos ficar atrás dos estados vizinhos, cuja economia é muito parecida e possuem menores índices de desemprego, o que comprova que o mínimo regional é bom para trabalhadores e empresários”, ressaltou.

O secretário-chefe da Casa Civil ouviu as centrais, fez uma análise da conjuntura estadual e disse que já se reuniu com os representantes das federações empresariais que, no entanto, propuseram novamente a extinção do piso regional. “É uma crueldade contra os trabalhadores que tanto sofrem com a inflação, a carestia e dependem do reajuste do mínimo regional para comprar alimentos e pagar as suas contas”, salientou o dirigente da CUT.

Artur Lemos anunciou que deve se reunir na terça-feira, 14, com o deputado Luiz Fernando Mainardi, do PT, que tem pautado o assunto na Assembleia Legislativa, tendo ido no final do ano passado para Florianópolis e Curitiba para conhecer de perto a experiência dos dois estados, que negociam o reajuste no Conselho Estadual de Trabalho, Emprego e Renda.

Na quarta-feira, 15, segundo o secretário-chefe da Casa Civil, o tema será debatido no âmbito do governo para definir o projeto que será enviado aos deputados. Na sequência, ele fará contato com as centrais para comunicar a decisão. Para Claudir, “o piso regional é um poderoso instrumento de valorização do trabalho, do emprego e da renda, fomentando a economia gaúcha, pois aquece o consumo e a produção e amplia a arrecadação do Estado. Todos saem ganhando”.

Galeria de Imagens
Leia também em Fogo Cruzado
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 99971-9480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br