MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Região

Projeto da Águia Fertilizantes dá passo importante para operar

Em 12/05/2022 às 09:45h

por Redação JM

Projeto da Águia Fertilizantes dá passo importante para operar | Região | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Empreendimento prevê instalação de mina a céu aberto e unidade para beneficiamento de fosfato / Foto: Divulgação

Em decisão de primeira instância, proferida pela 1ª Vara Federal de Bagé, na segunda-feira,dia 9, foi acolhido o pedido preliminar da Águia Fertilizantes que questionou sobre a ilegitimidade da atuação do Ministério Público Federal (MPF) no caso. Vale destacar que o MPF havia movido uma ação na Justiça solicitando o cancelamento da licença prévia concedida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) ao projeto Fosfato Três Estradas, em Lavras do Sul.

A decisão considerou três aspectos: o fato de que o impacto a ser gerado pelo Projeto é de abrangência local; não haver provas da existência de comunidade tradicional que enseje a aplicação das disposições constantes na Convenção da Organização Internacional do Trabalho; e por não vislumbrar interesse jurídico da União, de suas autarquias ou empresas públicas na causa.

Para o CEO da Águia Fertilizantes, Fernando Tallarico, o parecer confirma a qualidade do trabalho que a empresa vem desenvolvendo ao longo dos anos. “Nós adotamos as melhores práticas do mercado durante todo o estudo de impacto ambiental e estabelecemos uma comunicação extremamente transparente e eficiente com toda a sociedade gaúcha”, analisou.

“Diante da pressão que o mercado de fertilizantes vem sofrendo com os conflitos no leste europeu, que tem afetado seriamente a oferta de produtos, esta decisão da Justiça é muito importante, pois coloca o Projeto no caminho correto. Nós permanecemos muito confiantes na alta qualidade de todo o trabalho realizado em território gaúcho, e seguimos muito motivados para produzir nosso fosfato natural, o Pampafos, da Campanha para todas as Querências”, comentou.

Embora o caso não tenha sido encerrado (ainda cabe recurso do MPF que tem prazo de 30 dias úteis para recorrer), a decisão representa um significativo êxito da defesa e das argumentações apresentadas pela Águia, pois, se mantida, impedirá que o MPF continue a atuar como autor da ação. Nesse cenário, o pleito será encaminhado ao Tribunal de Justiça de Lavras do Sul e o Ministério Público Estadual deve ser notificado para se manifestar sobre seu interesse em prosseguir com o processo assumindo a função de autor.

De acordo com a empresa, após a obtenção da licença de instalação, a expectativa é que as operações do Projeto Fosfato Três Estradas se iniciem em um período de oito a dez meses. Empreendimento prevê instalação de mina a céu aberto e unidade para beneficiamento de fosfato com capacidade para fornecer até 300 mil toneladas de fertilizante por ano.

Galeria de Imagens
Leia também em Região
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 99971-9480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br