MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Estado

Bajeense participa do Festival da Barranca, em São Borja

Em 14/04/2022 às 12:33h
Jaqueline Muza

por Jaqueline Muza

Bajeense participa do Festival da Barranca, em São Borja | Estado | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Imagem de 2017 Foto: Reprodução /JM

Após dois anos sem ser realizado, o Festival da Barranca voltará a acontecer este ano. Criado em 1972, na cidade de São Borja, o evento completa 49 edições sendo o mais antigo festival de música gaúcha. Bagé será representado, na ocasião, pelo músico e produtor cultural Tiago Cesarino, que, inclusive, já venceu uma edição e participa há 16 anos.

De acordo com Cesarino, o Festival da Barranca acontece tradicionalmente na Semana Santa, à beira do Rio Uruguai, e é conhecido por reunir amantes da cultura gaúcha. Ele salienta que o evento foi criado por um grupo de amigos e teve participação de muitos bajeenses, como Diogo Madruga Duarte, Luiz Godinho, “Tio Nica” e João Dóglia.

Cesarino conta que a Barranca é um dos principais festivais do Estado e foi criado por José Bicca, um dos integrantes do grupo “Os Anhangueras”, tendo a participação de Nico Fagundes, Aparício Silva Rilo. “Eles se reuniram numa pescaria e resolveram fazer um festival ali. Então, o tema é dado na sexta-feira e os artistas têm 24 horas para apresentar a música e letra da canção. É um festival diferenciado que, na verdade, não é um festival porque não tem uma premiação”, disse.

Este ano, o músico será o único representante de Bagé no local em que se reúnem cerca de 300 homens. “São somente convidados. Nossa referência sempre foi o Diogo Madruga Duarte, que iniciou ainda na década de 70, quando conheceu o pessoal do grupo os Anhangueiras”, relata. 

O bajeense salienta que quando venceu o festival o tema foi modernidade, mas comenta que este ano não irá participar da competição. “Vou porque é um lugar de confraternização, de culto às tradições, além do sentimento de companheirismo. Essa Barranca é diferenciada porque é de reencontro e de trazer um pouco de paz e alento para os artistas” relata.

Além disso, Cesarino reuniu fotos e outros materiais dos antigos participantes que irão compor o livro dos 50 anos do Festival, que deve ser lançado o ano que vem. Ele conseguiu a maioria do material com familiares.

Tradicional na cidade de São Borja, o Festival da Barranca marcou inúmeras gerações e trouxe a cultura musical para a cidade. “É um grande acampamento, uma reunião de amigos que gostam, que apreciam a música, arte e poesia do Rio Grande do Sul”, resume.

Galeria de Imagens
Leia também em Estado
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 99971-9480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br