MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Empreendedor

Nike alcança faturamento de US$ 11,4 bilhões somente no 2º semestre de 2021

Em 04/01/2022 às 10:30h

por Redação JM

Nike alcança faturamento de US$ 11,4 bilhões somente no 2º semestre de 2021 | Empreendedor | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Foto: Divulgação/Linkarme

Uma das companhias focadas no mercado esportivo mais famosas do planeta, a Nike teve um faturamento acima do esperado no segundo semestre de 2021. Os analistas de mercado acreditavam que a empresa iria faturar cerca de US$ 11.25 bilhões, contudo, a companhia chegou à receita de US$ 11.4 bilhões. Do montante, somente o Swoosh faturou US$ 10,8 bilhões, enquanto a Converse aumentou sua arrecadação em 16% e chegou à casa dos US$ 557 milhões.

Neste ano, a companhia focou nas vendas online, com isso, conseguiu um aumento de 12% nas vendas em relação ao segundo semestre de 2020 - sendo que, na América do Norte, esse aumento foi de 40%. Enquanto isso, apenas a divisão de calçados arrecadou US$ 6.8 bilhões, ficando à frente até mesmo dos vestuários, que ficaram na marca dos US$ 2.6 bilhões. Já os equipamentos esportivos angariaram US$ 382 milhões.

No entanto, nem só de boas notícias vive uma empresa, e a Nike também foi afetada pelos impactos da crise sanitária, e em algumas regiões do globo a companhia teve uma queda de vendas. Principalmente na China, América Latina e regiões da Ásia-Pacífico.

Para tentar recuperar a redução na venda nestes mercados, a Nike lançou o programa Mind Sets, que tem o intuito de conscientizar os usuários da marca a priorizar sua saúde mental. O programa foi criado em parceria com a Dick’s Sporting Goods, e foca no treinamento de consumidores. A empresa também tem tentado se associar com a nova tendência do metaverso, e já entrou com um pedido de registro de sua marca no ambiente digital. Sendo que a Nike comprou a RTFKT, que é especializada na criação de colecionáveis e calçados para o metaverso.
    
Calçado super disputado

A NBA é a liga de basquete mais competitiva e famosa do globo, reunindo os melhores jogadores da modalidade em apenas um lugar. Por conta disso, o torneio chama a atenção de torcedores de todos os cantos do planeta, assim como dos apostadores, que veem na competição uma oportunidade para arriscar alguns pitacos. No Brasil, por exemplo, os palpiteiros têm a chance de utilizar um bônus de boas vindas para entender como funciona o bet365, uma das maiores casas de apostas esportivas do mundo. E com o saldo extra conseguido através da promoção, eles podem desbravar as nuances do mundo dos palpites sem grandes custos ou tentar maximizar seus ganhos ao realizar uma maior quantidade de apostas.

Contudo, a competitividade da NBA não fica somente dentro de quadra e aparentemente um tênis da linha Kobe Bryant criado pela Nike, tem sido motivo de “briga” entre os jogadores. Isso porque o modelo explodiu em popularidade, e a raridade do artigo acabou criando o mercado paralelo entre os jogadores da liga, que são aficionados por esse tipo de objeto.

E a popularidade do item é bem fácil de compreender, já que os calçados da linha Kobe, sempre foram um dos mais utilizados na liga, principalmente com a chegada de novos jogadores que cresceram idolatrando Kobe Bryant. Os tênis se tornaram ainda mais disputados após o acidente aéreo que causou a morte do jogador, e a ESPN americana relatou que, após a fatalidade em 2020, um terço dos jogadores da NBA terminaram a temporada utilizando Kobes.

E com o aumento da demanda pelo calçado naturalmente deveria ocorrer um aumento da oferta, contudo, ocorreu o contrário. Em 2020 a produção do calçado já havia caído bruscamente devido a crise sanitária, e agora para piorar a situação, o contrato vigente entre Nike e Kobe se encerraria em abril de 2021. E por enquanto, a empresa norte-americana e Vanessa Bryant - viúva do jogador e responsável pelo seu patrimônio - não chegaram a um acordo. Por conta disso, a marca Kobe não está mais associada à Nike por enquanto, e simplesmente a produção do tênis Kobe parou por completo. Com isso, os jogadores de basquete estão tendo que correr atrás dos calçados e aparentemente a disputa pelos Kobes não deve acabar tão cedo.
   

Galeria de Imagens
Leia também em Empreendedor
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 99971-9480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br