MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Fogo Cruzado

Economista afirma que valorização do salário mínimo tem efeito positivo para economia

Em 28/11/2021 às 07:40h

por Redação JM

Economista afirma que valorização do salário mínimo tem efeito positivo para economia | Fogo Cruzado | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Foto: Divulgação

“O salário mínimo é uma das principais políticas públicas de redução da pobreza e desigualdade e foi criado para proteger o trabalhador”. A manifestação é do economista André Roncaglia, pesquisador do Centro Brasileiro de Planejamento (CEBRAP) e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Roncaglia é um dos principais economistas brasileiros que estudam o efeito da renda do salário na economia. Ele falou, na sexta-feira, 26, na reunião da Subcomissão do Piso Salarial Regional, da Assembleia Legislativa.

Para o economista paulista, a importância dos pisos salariais vai além da sua função direta, de ser o menor salário que pode ser pago a um trabalhador formal. Eles também impactam em vários outros aspectos da economia. Servem, segundo os estudos do economista, como indexador de contratos e como piso para vários pagamentos, de aposentadorias até remunerações informais. “As evidências indicam que a valorização do salário mínimo é positiva para a economia, porque elevam a qualidade de vida dos trabalhadores, reduzem desigualdades salariais e até podem ampliar a oferta de trabalho”, sustenta.

Para o economista, o erro dos que desprezam a necessidade de políticas de valorização dos salários é o entendimento de que o trabalhador é um custo. “Mas o trabalhador não é uma máquina de produzir”, explica. “Um salário valorizado melhora uma série de indicadores de bem-estar, o que tem impacto positivo sobre o desenvolvimento”, acrescenta.

Roncaglia cita o estudo do atual Nobel de economia, David Card. O economista americano comparou dois estados dos Estados Unidos, Nova Jersey e Pensilvânia, que praticaram políticas diferentes em relação ao salário mínimo. Enquanto Nova Jersey aumentou o salário, a Pensilvânia manteve o salário sem reajuste. O resultado é que no estado em que houve aumento salarial o nível de emprego aumentou, ao contrário do que argumentam muitos setores que são contra políticas de valorização de salários.

Ainda segundo o professor, não é o custo do trabalho que determina a oferta de trabalho, mas a disposição de investimentos públicos e privados. A ideia foi corroborada por outro economista presente no encontro, o diretor do DIEESE, Ricardo Franzói. Segundo Franzói, durante os anos dos governos Lula e Dilma, o salário mínimo foi valorizado, cresceu mais de 70%, e a economia também cresceu, com ampliação de oferta de vagas e postos de trabalho. Outro argumento trazido por Franzói é que embora tenham salários regionais maiores, os estados de Santa Catariana e Paraná tiveram taxas de desemprego menores do que a gaúcha. Em Santa Catarina houve queda, no Paraná cresceu 0,4% e no RS três vezes mais, chegando a 1,2% de crescimento.

Subcomissão

Para o coordenador da Subcomissão, deputado Luiz Fernando Mainardi, do PT, as contribuições do professor Roncaglia reforçam o entendimento de que é preciso valorizar o salário dos gaúchos. Além de relator da Subcomissão, Mainardi também é relator do projeto do Executivo de reajuste do atual mínimo regional. O governador enviou um projeto que prevê apenas 2,7% de reajuste para o mínimo regional.

Mainardi apresentou emenda garantindo a reposição da inflação de 2019 e 2020, que é de 10,3%. O mínimo regional gaúcho está congelado há dois anos. O parecer de Mainardi está na ordem do dia da Comissão de Constituição e Justiça, mas ainda não foi apreciado.

O deputado Fernando Marroni, do PT, membro da Subcomissão, também participou da reunião. Ainda estiveram presentes o presidente da CTB, Guiomar Vidor, a representante da Conlutas, Neiva Lazzarotto, e o diretor da Intersindical, Francisco Dutzig, além de outro sindicalistas.

 

Galeria de Imagens
Leia também em Fogo Cruzado
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 99971-9480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br