MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Fogo Cruzado

Paim propõe inscrição dos Lanceiros Negros no Livro dos Heróis da Pátria

Em 11/10/2021 às 08:30h

por Redação JM

Paim propõe inscrição dos Lanceiros Negros no Livro dos Heróis da Pátria | Fogo Cruzado | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Para o senador, os lanceiros negros foram mártires e guerreiros brilhantes / Foto: Pedro França/Agência Senado

Por meio de um projeto apresentado pelo senador Paulo Paim, do PT gaúcho, os Lanceiros Negros, combatentes de atuação marcante na Revolução Farroupilha (1835-1845), podem ser incluídos no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria, livro de aço que está guardado no Panteão da Pátria Tancredo Neves, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. A medida representa um reconhecimento formal do Estado brasileiro da realização de grandes feitos para o país. 

Os Lanceiros Negros foram escravos que integraram, em troca da promessa de liberdade, o exército da República Rio-Grandense no conflito com o Império do Brasil. Eles se notabilizaram por sua bravura e habilidade. Paim  cita as memórias de Giuseppe Garibaldi, que afirmou nunca ter visto em suas muitas batalhas “homens mais valentes, nem lanceiros mais brilhantes, do que os da cavalaria rio-grandense”.

Na justificativa do projeto, o senador acrescenta que, na Batalha de Porongos, no atual território de Pinheiro Machado (14 de novembro de 1844), 'os Lanceiros Negros foram desarmados'. “Mais de 100 foram mortos pelo exército imperial. A paz veio com o Tratado de Ponche Verde; mas a liberdade, tão prometida, não. Os bravos lanceiros foram traídos”, pontua. 

“Nos campos e nas cidades, onde houver fome, miséria e pobreza, racismo e discriminação, sempre haverá um lanceiro negro estendendo a mão e fazendo a boa luta em defesa dos que mais precisam”, definiu.

 

Fonte: Agência Senado

Galeria de Imagens
Leia também em Fogo Cruzado
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br