MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Região

Votação da privatização da Eletrobras gera mobilização em Candiota

Em 16/06/2021 às 13:26h
Jaqueline Muza

por Jaqueline Muza

Votação da privatização da Eletrobras gera mobilização em Candiota | Região | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Funcionários estão mobilizados desde as 0h de hojeFoto: Junior Moraes/ Especial JM

Acompanhando o movimento nacional de paralisação do Sistema Eletrobras, funcionários Usina Termelétrica Presidente Médici, em Candiota, estão mobilizados desde a madrugada desta quarta-feira, dia 16, e entraram em estado de greve. O motivo foi para protestar contra a votação da Medida Provisória (MP) 1.031/2021,  que tem como ponto central o fim do controle público na Companhia. A MP que trata da desestatização deve ser votada ainda hoje, no Senado.

Conforme a diretora do Senergisul em Candiota, Maria Cristina Silva da Silva, os sistemas de geração de energia elétrica não serão afetados com a mobilização. Ela explica que estão participando todos os funcionários que trabalham na geração da energia e também os da manutenção, serviço administrativo e serviços auxiliares. “Estamos cumprindo os turnos”, disse.

Segundo a sindicalista, a paralisação tem duração de 24 horas, podendo se estender por até 72 horas. Cerca de 200 funcionários participam, em sistema de rodízio. Ela comenta que o ponto dos trabalhadores que participam do piquete foi cortado.

Privatização

A Eletrobras foi incluída no Programa Nacional de Desestatização (PND) em abril deste ano. A inclusão da empresa no programa de privatização do governo havia sido recomendada pelo Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI), em março.

O governo federal argumenta que 'a inclusão da Eletrobras no PND é necessária para que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) possa iniciar os estudos para a futura capitalização da Eletrobras'. Apenas esta etapa foi autorizada com a publicação de uma medida provisória, em fevereiro. A qualificação da empresa dentro do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) já foi formalizada. A medida, porém, a exemplo dos estudos técnicos para a estruturação do processo de capitalização, perderão efeito caso o Congresso Nacional não aprove a Medida Provisória 1.031, que trata sobre a desestatização da empresa.

Caso ocorra a conclusão, a desestatização deve ocorrer até fevereiro de 2022. A Medida Provisória sugere que o modelo de privatização da Eletrobras deverá ocorrer por meio de aumento da oferta de ações ao mercado, de modo que a União, que hoje tem 51% da empresa, tenha sua participação acionária reduzida e passe a ser acionista minoritária.

A União poderá também promover oferta pública de ações de sua propriedade. Pela proposta, as ações serão pulverizadas, com nenhum sócio detendo mais de 10% do capital votante, e a União terá uma golden share - ação especial que permite veto a decisões da maioria dos acionistas.

Alcance local
O debate sobre a privatização da Eletrobras iniciou em 2017, no governo de Michel Temer, enfrentando resistências no Congresso Nacional, e foi retomada em 2019, já no governo de Jair Bolsonaro. A empresa, criada na década de 1950, controla grande parte dos sistemas de geração e transmissão de energia elétrica do Brasil, por intermédio das subsidiárias Amazonas GT, Chesf, Eletronorte, Furnas e Eletronuclear. Além de principal acionista dessas subsidiárias, a Eletrobras controla o Centro de Pesquisas de Energia Elétrica, a Eletrobras Participações S.A. e metade do capital de Itaipu Binacional.

A Eletrobras também controla a CGT Eletrosul, que nasceu da fusão da Eletrosul com a CGTEE. No Rio Grande do Sul, a CGT Eletrosul opera a Termelétrica Candiota III (Fase C), em operação comercial desde janeiro de 2011. A usina passou por uma ampla reforma e modernização, em 2019, garantindo maior eficiência. O modelo de programa prevê a reestruturação societária , mantendo sob o controle, direto ou indireto, da União, a E letronuclear e a Itaipu Binacional.

Galeria de Imagens
Leia também em Região
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br