MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

ELLAS

Especialista fala sobre queda capilar acentuada em tempos de pandemia

"Alterações emocionais e sequelas pós-Covid podem estar relacionadas à queda do cabelo"

Em 24/04/2021 às 00:03h
Viviane Becker

por Viviane Becker

Especialista fala sobre queda capilar acentuada em tempos de pandemia | ELLAS | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Couro cabeludo bem inflamado

O cabelo tem um poder que vai muito além da imagem refletida no espelho. Por isso, mesmo em tempos difíceis, frequentar o salão de beleza, seguindo todos os protocolos para o momento, proporciona benefícios imensuráveis.

Pintar as madeixas, renovar o corte, acrescentar luz e brilho, são pequenos feitos que renovam a aparência e proporcionam um frescor a mais, agregando sentimentos de rejuvenescimento, poder e saúde. O cabeleireiro Paulo Sérgio Santos concorda que um corte de cabelo diferente pode mudar o estado de espírito e o astral além de trazer outros tantos benefícios.

A equipe de reportagem do Caderno Ellas bateu um papo com esse especialista, que é pós-graduado em Tricologia e Terapia Capilar, sobre todas as questões que envolvem a pandemia relacionada não apenas à estética, mas à queda de cabelo comum neste período do ano - também apontada como sequela pós-Covid.

 

Estatísticas

De acordo com matéria publicada pela BBC, a queda de cabelo afeta um em cada quatro pacientes contaminados pela Covid-19.  Segundo pesquisadores de universidades dos Estados Unidos, do México e da Suécia, que analisaram dezenas de estudos sobre o tema, com 48 mil pacientes ao todo, os cinco sintomas mais comuns pós-covid: fadiga (58%), dor de cabeça (44%), dificuldade de atenção (27%), perda de cabelo (25%) e falta de ar (24%).

Paulo Sérgio salienta que problemas emocionais, doenças infecciosas ou autoimunes podem causar queda de cabelo de diversos tipos. Ele reforça que considera-se queda capilar qualquer alteração no ciclo de vida dos cabelos. O mais comum é a queda difusa em todo o couro cabeludo, que é chamada de eflúvio telógeno (condição que se caracteriza pelo aumento da queda diária) de fios de cabelo gerada por estresse ou doenças infecciosas e autoimunes. Há também pacientes com predisposição genética ou doenças autoimunes, por exemplo, que podem apresentar quedas em forma de rodelas, condição conhecida como alopecia areata.

O cabeleireiro explica que após passar por algumas situações que envolvem fatores emocionais, processos medicamentosos e infecciosos é normal que algumas pessoas passem por algum tipo de queda capilar. "Esses fatores atuam diretamente na corrente sanguínea onde serve de veículo para nutrição das células, assim, levando células doentes e causando uma disfunção na estrutura capilar. Tenho recebido queixas de clientes a respeito da queda de cabelo e sabemos que mudanças na estação sempre estamos num processo de eflúvio telógeno, mas estamos passando por uma pandemia, onde também devemos levar em conta as condições que o COVID-19 afeta", salienta.

O especialista reforça que os sintomas após recuperação também podem gerar a queda dos cabelos, sem deixar de considerar a grande carga psicológica que acomete às pessoas e ao uso de medicações que acabam gerando alterações, para o corpo humano. "Os cabelos são considerados anexos da pele, e a pele é uma estrutura corporal. Os fios de cabelo possuem ciclos de vida que, nestes casos de covid, podem sofrer um encurtamento em seu ciclo, levando ao eflúvio telógeno ou alopecia areata. É necessário observar o fator que desencadeia a queda, que pode levar a dois a três meses após o fato", alerta.

Tratamento

 "O importante é o cliente, assim que observar esse tipo de alteração no ciclo, fazer um acompanhamento profissional, para repor os fios o quanto antes, ou até mesmo interromper a queda até que o ciclo volte a funcionar", alerta o cabeleireiro.

Galeria de Imagens
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 99971-9480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br