Celito De Grandi

quinta-feira, 10 de abril de 2014 às 22:55

Murmúrio de palavras

Unidades de tratamento intensivo de hospitais, por sua própria natureza e objetivo, raramente são ambientes agradáveis aos nossos sentidos.

Às queixas e gemidos dos pacientes, somam-se os odores inevitáveis expelidos por corpos doentes e sofridos.
++++++++++++
Salvam-nos, a nós, enfermos eventuais, as integrantes do batalhão de mulheres de branco, quase sempre jovens e bonitas, além de competentes profissionais, que circulam pelos corredores e leitos, transmitindo recomendações e  ministrando medicamentos, junto com uma palavra de esperança ou um gesto de  humanidade, amenizando até mesmo tratamentos mais doloridos.
++++++++++++
Por conta de um acidente vascular cerebral isquêmico, que me surpreendeu ao meio-dia do primeiro domingo do ano, e  que afetou, felizmente,  apenas em parte minha capacidade motora, acabei hospitalizado, nas últimas semanas, no CTI do Instituto de Cardiologia, sob a supervisão do meu médico e amigo Oscar Dutra.
++++++++++++
Num final de tarde, depois de repetidos exercícios, a fisioterapeuta Priscila Albrecht, examinou-me com atenção e disse:
-  A complexão de sua musculatura está ótima.
Com uma ressalva:
- Problema são os murmúrios musculares.
- Murmúrios musculares?
- Fiquei eu a me questionar.
Já à saída da sala, atenta às  minhas dúvidas, Priscila anunciou, com sílabas compassadas e um tom de sentença definitivo:
- São espasticidades!
+++++++++++++
Ah, nossa fantástica Língua Portuguesa! Agradeci a Priscila por me ter apresentado palavra tão expressiva, elegante, sinuosa e longilínea.
Espasmos. Espasticidades. Contrações involuntárias, não necessariamente ritmadas, de um ou vários músculos, contínuas ou não. Um soluço pode ser um espasmo. No caso, um espasmo da musculatura diafragmática. 
+++++++++++++
Ah, caro dr. Oscar.
Que bela chance tens em mãos de mudar substancialmente o espírito do CTI. 
Convoca teu exército branco, cria um batalhão de encantadoras de  palavras e pede-lhes que vasculhem todos os recantos e escaninhos da unidade, em busca de expressões pouco usuais, ainda que definidoras de procedimentos e manifestações médicas.
Não tenho dúvida de que, em pouco tempo, terás um excelente acervo de expressivas palavras. 
O passo seguinte é mais fácil. Convoca um bom diretor de teatro, capaz de transformar isso tudo em esquetes excelentes. 
Imagina as tardes febricitantes do CTI  interrompidas por "murmúrios de palavras" ou "espasmos literários".
Não haverá de te faltar ajuda para esta tarefa, assim tão humana e solidária.


Por: Celito De Grandi

 
Pesquisar