José Artur Maruri

sábado, 4 de março de 2017 às 0:00

Sócrates, Platão e a doutrina dos espíritos

Em sequência ao estudo da introdução da obra "O Evangelho Segundo o Espiritismo", encontramos no item quatro o resumo da doutrina de Sócrates e Platão. E, como dito anteriormente, o codificador do Espiritismo, Allan Kardec, esbarrou com diversas semelhanças à "Doutrina dos Espíritos". Senão vejamos:
"XII - Não é preciso nunca retribuir injustiça por injustiça, ne fazer mal a ninguém, qualquer seja o mal que se nos tenha feito. Poucas pessoas, entretanto, admitirão este princípio, e as pessoas que estão divididas não devem senão se desprezar umas às outras". Allan Kardec indaga se nestas palavras não está o princípio da caridade e de que não se deve retribuir o mal com o mal e que devemos perdoar os nossos inimigos.
"XIII - É pelos frutos que se reconhece a árvore. É preciso qualificar cada ação segundo o que ela produz: chamá-la má quando dela provém o mal, boa quando dela nasce o bem". A máxima "é pelos frutos que se reconhece a árvore" se encontra várias vezes no Evangelho.
"XIV - A riqueza é um grande perigo. Todo homem que ama a riqueza não ama nem a si, nem o que está em si, mas uma coisa que lhe é ainda mais estranha que aquela que está em si". Jesus disse: "Ninguém pode servir a dois senhores; porque, ou odiará a um e amará ao outro, ou se aperfeiçoará a um e desprezará o outro. Não podeis servir, ao mesmo tempo, a Deus e a Mamon. (São Lucas, cap. XVI, v. 13)".
"XV - As mais belas orações e os mais belos sacrifícios agradam menos a Divindade que uma alma virtuosa que se esforça por assemelhar-se a ela. Seria uma coisa grave se os deuses tivessem mais consideração para com as nossas oferendas que pela nossa alma; por esse meio, os mais culpáveis poderiam se lhes tornarem favoráveis. Mas não, não há de verdadeiramente justo e sábio senão aqueles que, por suas palavras e pelos seus atos, desempenhem-se do que devem aos deuses e aos homens". Jesus disse: "Se, pois, quando apresentardes vossa oferenda ao altar, vós vos lembrardes que o vosso irmão tem alguma coisa contra vós, deixai a vossa dádiva aí ao pé do altar, e ide antes reconciliar-vos com o vosso irmão, e depois voltai para oferecer vossa dádiva. (São Mateus, cap. V, v. 23, 24)".

(Referência: Allan Kardec. O Evangelho Segundo o Espiritismo. IDE Editora. Introdução. Item 04. p. 23.)


Por: José Artur M. Maruri dos Santos

 
Pesquisar