Norberto Dutra

sábado, 25 de fevereiro de 2017 às 0:00

A História de um Homem Comum (parte quatro)

Semana passada vimos que, o Senhor Deus apesar do povo de Israel ter dado as costas, para o seu criador elabora um plano, para livrá-los das mãos dos seus inimigos.
Gideão se considera incapaz de desempenhar a tarefa estipulada pelo Senhor e responde: "Ah Senhor meu, com que livrarei a Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu o menor na casa do meu pai" Juízes 6: 15.
Ao observarmos a resposta parece que estamos nos dias atuais, onde para ter sucesso se necessita de currículo de grandes conhecimentos e técnicas atualizadas, também a influencia de alguém de autoridade poderá facilitar a colocação. Porém devemos de entender que para o Senhor Deus nada do que o homem crê importante se torna necessário.
Deus não trabalha desde a perspectiva humana, o que o Senhor necessita é de "Um Homem Comum" disposto apenas de confiar nele. Vejamos que a humilhação de Gideão o Senhor Deus responde com uma expressão forte de animo "E o Senhor lhe disse: Porque eu serei contigo, e ferirás aos midianitas como a um só homem". Juízes 6: 16.
O novo relacionamento entre Deus e Gideão estará fundamentado sobre um alicerce que lamentavelmente os homens perderam há muito tempo, me refiro a "Paz" Esta questão de ter Paz é de suma importância para nossas vidas e nossos empreendimentos, pois sem Paz em nosso interior, jamais agradaremos ao Senhor. Os interesses pessoais estão acima dos coletivos em nossa sociedade, muitas vezes cometemos atrocidades só para alcançar nossos objetivos, tenho muitas duvidas de que, um homem possa estar com a sua consciência tranquila se sabe que cometeu injustiça para subir um degrau. "O Senhor Deus fala a Gideão: "E o Senhor lhe disse: Paz seja contigo" Juízes 6: 23. A paz do Senhor nos prepara para combater qualquer coisa em nós, em nossos relacionamentos ou ambientes que privem outros de paz. A paz interior nos capacita a viver sem  medo em meio ao conflito.
O sentido de ter paz no caso de Gideão significava favor, afirmação e bênção, mas para nós significa algo muito mais profundo, mediante a reconciliação por Cristo. A batalha em nosso intimo está consumada por causa do amor perdoador da cruz de Cristo o Messias (enviado) de Deus. É significativo observar que o Senhor nos dá a sua paz a fim de podermos continuar com ELE em luta destemida, pela paz durante toda a nossa vida.
Na próxima semana, veremos que no próprio "quintal" de Gideão havia um santuário de rituais oferecido a Baal nos campos da sua família. Ele teria que tomar uma atitude. Fiquem conosco, para continuarmos tratando deste tema. Bênçãos do Altíssimo para todos. Amém!


Por: Pastor Norberto Dutra

 
Pesquisar