Cidade

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017 às 0:00

Final de semana no Cassino custa no mínimo R$ 400

Praia lotada neste final de semana - Créditos: Divulgação
Praia lotada neste final de semanaDivulgação
Restaurantes para todos os gostos - Créditos: DivulgaçãoAlimentação varia bastante - Créditos: Divulgação

A praia mais conhecida pelos bajeenses recebe milhares de turistas todos os anos. Boa parte são oriundos das cidades vizinhas como Rio Grande, Pelotas, Bagé e arredores. Por aqui, é comum encontrar os amigos no Cassino no verão, tamanha a proximidade com o balneário. Mas, em tempos de crise, mesmo com a praia praticamente ao lado, muitas famílias não conseguem veranear ou até passar um final de semana no Cassino, já que os preços na praia costumam ser mais elevados que na cidade.
O Jornal MINUANO buscou fazer um levantamento de quanto custa, afinal "cassinar". Será que só quem tem dinheiro no bolso pode tirar uns dias de descanso no local? Ou dá para passear sem maiores gastos?

Preços dos serviços
Locomoção e hospedagem

A mão no bolso já começa para a chegada na cidade. Quem for de carro pode gastar em torno de R$ 78 de combustível para a ida. Isso levando em conta um carro popular, que tem a média de consumo de 13 km/l e o preço do combustível a R$ 4,19, valor promocional praticado na semana em Bagé (mas que costuma ser mais caro, geralmente). Os valores podem variar dependendo do consumo do veículo e do preço da gasolina no momento do abastecimento. Já quem vai de ônibus, não tem muitas opções de data, pois só há horários disponíveis na sexta e no sábado, ao valor de R$ 62.
Depois da locomoção, o próximo passo é a hospedagem. Neste quesito os preços são os mais variados, para os mais diversos gostos e bolsos. As casas mais distantes da praia podem ser alugadas por R$ 100, mas a maioria dos anúncios disponibilizam diárias de R$ 300 a R$ 350. Quem optar por um hotel pode pagar um pouco mais caro, pois a média de preço é de R$ 340 para o casal. Mas os valores variam bastante.

Alimentação
Eis um item bastante variável. Quem quer comer em grande quantidade, encontra espeto corrido por R$ 27,90. Se a opção for mais simples, pode-se comer uma marmitex por R$ 10 ou R$ 13. Já se a escolha foi um jantar em pizzaria, por exemplo, um casal pode-se gastar até R$ 100, incluindo a bebida. Quanto mais próximo da praia, mais caro. Se o almoço for por quilo, os restaurantes cobram em média R$ 22.

Se o veranista optar por comprar peixe em uma peixaria e fazer em casa, o quilo sai, em média, R$ 16. E este ano o camarão está mais em conta, podendo ser achado por até R$ 35 o quilo.
Na beira mar, os preços também não agradam muito. Por um simples pastel, por exemplo, pode-se pagar cerca de R$ 15. Um picolé para as crianças sai de R$ 4 a R$ 9. A espiga de milho custa, em média, R$ 5, mas, se a pessoa optar por comprar no mercado e levar pronto na beira da praia, adquire três espigas por apenas R$ 2.

Beleza
Para a mulherada que vai passar mais tempo, é indispensável visitar o salão, certo? Os preços são muito parecidos com os da cidade para manicure e pedicure, cerca de R$ 30. Já o corte de cabelo pode ser feito a partir de R$ 20.

Conclusão
Partindo do princípio do consumo sempre do mais em conta, um final de semana no Cassino para uma pessoa não sai por menos de R$ 400. Levando em consideração ida e volta de carro, hospedagem nas casas mais baratas por duas noites, quatro refeições e o mínimo de consumo na beira mar.


Por: Maritza Paiva Costa

 
Pesquisar