Padre Airton Gusmão

sábado, 10 de dezembro de 2016 às 0:00

A alegre esperança que vem de Jesus Cristo

Estamos nos aproximando da festa da vinda do Salvador. Chegamos ao terceiro domingo do Advento, chamado de domingo "da alegria", onde temos o Evangelho de Mt 11,2-11.
O sinal não é para ser admirado ou discutido, mas para ser entendido e seguido. O que interessa não é a placa, mas o que ela indica; não é o milagre ou seu resultado, mas o que aquilo significa dentro da mensagem de Jesus, os seus apelos para nós. Diante da pergunta dos discípulos de Batista, Jesus fala dos sinais que estão acontecendo.
O profeta João Batista, na prisão, ouvindo falar das "obras de Jesus", manda os seus discípulos perguntar: "És tu, aquele que há de vir, ou devemos esperar um outro?". Jesus apenas lembra os sinais que estão acontecendo: "Os cegos recuperam a vista, os paralíticos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e os pobres são evangelizados".
Certo dia, falando da sua Missão, Jesus disse: "Eu devo anunciar a Boa Nova do Reino de Deus. Para isso é que fui enviado" (Lc 4,43). Assim, o próprio Jesus, "Evangelho de Deus", foi o primeiro e o maior dos evangelizadores. Como núcleo e centro da sua Boa Nova, ele anuncia a salvação, dom de Deus que é libertação de tudo aquilo que oprime o homem, e que é libertação, sobretudo do pecado e do maligno, na alegria de conhecer a Deus e de ser por Ele conhecido. E este anúncio do Reino se dá através da pregação e de sinais inumeráveis.
Esta evangelização de Jesus, por palavras e gestos, sinais do Reino de Deus presente, deve agora continuar através do testemunho dos seus discípulos, dos cristãos; ou seja, a ação libertadora de Jesus precisa se manter viva na missão de todos nós, cristãos batizados.
Neste sentido, do nosso compromisso de hoje e sempre de evangelizar, o Papa Francisco nos diz: "Convido todo cristão, em qualquer lugar e situação que se encontre, a renovar hoje mesmo o seu encontro pessoal com Jesus Cristo ou, pelo menos, a tomar a decisão de se deixar encontrar por Ele, de procurá-lo dia a dia sem cessar. Não há motivo para alguém poder pensar que este convite não lhe diz respeito, já que da alegria trazida pelo Senhor, ninguém é excluído"(Alegria do Evangelho,1 e 3).
Após Jesus dizer estas palavras aos discípulos de João, ele faz uma afirmação: "Feliz aquele que não se escandaliza por causa de mim". Será que nós não nos escandalizamos com Jesus quando nos conformamos com o mundo, a sociedade que aí está, com suas maldades e injustiças? Quando não nos indignamos diante dos poderosos que promovem a morte dos pobres, pois temos medo e não queremos nos incomodar?
São Tiago nos diz: "Ficai firmes até a vinda do Senhor e fortalecei vossos corações, porque a vinda do Senhor está próxima" (Tg 5,7-10). Nós, cristãos, temos o direito de nos alegrar, mesmo diante das dificuldades encontradas no dia a dia; temos o dever de manter a esperança, mesmo quando as possibilidades humanas fracassam; porque nossa esperança e certeza não se fundam em nós mesmos, mas Naquele que vem, Jesus, nosso Deus-Salvador.
O Papa Francisco continua nos ajudando a viver nossa vocação cristã: "O Evangelho convida-nos sempre a abraçar o risco do encontro com o rosto do outro, com a sua presença física que interpela, com os seus sofrimentos e suas reivindicações, com a sua alegria contagiosa permanecendo lado a lado. Não deixemos que nos roubem a alegria da evangelização. Não deixemos que nos roubem a esperança" (Alegria do Evangelho, 83 e 88).
Neste final de semana acontece em todo o Brasil a Coleta para a ação evangelizadora com o tema: "Ele está no meio de nós". Demos a nossa contribuição para que a evangelização continue acontecendo em nosso País, pois a nossa generosidade e doação ajudam a evangelizar.
Façamos a nossa parte. Sejamos alegres na esperança, fortes na tribulação e perseverantes na oração. Um bom final de semana a todos e até uma próxima oportunidade.


Por: Padre Airton Gusmão

 
Pesquisar