Fernando Risch

sábado, 3 de dezembro de 2016 às 0:00

Fernando Carvalho colocou o Inter na segunda divisão

Na vida, há coisas que se pensa e há coisas que se diz. Nem tudo que se pensa, se fala. Fernando Carvalho, vice de futebol do Inter e o maior presidente da história do clube, numa declaração infantil, como uma criança mimada, além do desrespeito a uma tragédia, rebaixou o próprio clube.

Fernando Carvalho colocou o Inter na segunda divisão

Na vida, há coisas que se pensa e há coisas que se diz. Nem tudo que se pensa, se fala. Fernando Carvalho, vice de futebol do Inter e o maior presidente da história do clube, numa declaração infantil, como uma criança mimada, além do desrespeito a uma tragédia, rebaixou o próprio clube.

Ao dizer que o Inter tinha sua "tragédia pessoal", que seria a luta contra o rebaixamento, o dirigente já equiparava, de forma infeliz, o maior acidente aéreo de história do esporte com uma situação futebolística proveniente de uma má gestão. Neste momento, creio eu, não há uma pessoa que esteja pensando em se seu time será campeão ou se escapará de uma situação negativa. Todos lamentam, cada um em sua intensidade, uma tragédia sem precedentes. O futebol está suspenso, suspenso no mundo da insignificância, que é onde ele pertence, frente à hecatombe que vitima seres humanos.

Mas, mais que isso, mais do que pôr uma situação de jogo ao lado do imensurável - o que, de fato, e corretamente, Fernando Carvalho se desculpou posteriormente -, o dirigente questiona o adiamento de uma semana da última rodada do Campeonato Brasileiro, alegando que isso traria "prejuízos" ao Internacional. Isso, ele até poderia pensar, mas jamais tornar público. Seu pensamento é infantil, querendo mudar o imutável. E é aí, neste ponto, que o desrespeito realmente acontece. Nesta soberba, nesta arrogância de ser perfeito, de ser imaculado, Fernando Carvalho se coloca acima do bem e do mal, coloca um infortúnio futebolístico acima do luto de uma cidade, de um país, para que sua consciência fique tranquila, para que sua eterna imagem de presidente campeão do mundo não seja manchada.

Com essa declaração, a qual Carvalho não se desculpa e mantém firme, ele automaticamente está rebaixando o Internacional. Sem nenhum clima para futebol, mas tendo que finalizar um campeonato, imagine a disposição que Palmeiras e Figueirense entrarão em campo para vencer os adversários diretos do Colorado. Palmeiras, o time que pediu à CBF para jogar com a camisa da Chapecoense. Figueirense, rival do time vitimado, que defende que o campeonato acabe sem que a última rodada seja jogada.

Se Fernando Carvalho estava tão preocupado em manter na primeira divisão o Internacional - que, como entidade, não tem culpa por seu dirigente -, com sua insensibilidade infantil, acabou por colocá-lo na Série B e ergue-lo ao desprezo nacional.


Por: Fernando Risch

 
Pesquisar