Saúde

terça-feira, 22 de novembro de 2016 às 0:00

Novas pesquisas e avanços da oncologia

Durante o último final de semana, a reportagem do Jornal MINUANO esteve presente no quinto curso de Jornalismo do Hospital do Câncer Mãe de Deus, em Porto Alegre. O objetivo foi a atualização de jornalistas sobre os principais temas do momento, em torno de fóruns mundiais e pesquisas, visando o combate à doença. O curso foi ministrado por oncologistas do hospital, como Dr. Carlos Barrios, que está à frente da instituição, Dr. Stephen Stefani, Dra. Patrícia Prolla e Dra. Cristina Brinckmann Oliveira Netto.

Novas pesquisas e avanços da oncologia - Créditos: Otávio Fortes
Novas pesquisas e avanços da oncologiaOtávio Fortes
Equipe de profissionais Ciom e Unacon - Créditos: DivulgaçãoDr. Stephen Stefani  - Créditos: Otávio Fortes Dr. Carlos Barrios  - Créditos: Otávio Fortes Curso de Jornalismo do HCMD  - Créditos: Vinícius Luz Novas pesquisas e avanços da oncologia - Créditos: Otávio Fortes Dra Patrícia e Dra. Cristina - Créditos: Otávio Fortes

Novas pesquisas e avanços da oncologia

Durante o último final de semana, a reportagem do Jornal MINUANO esteve presente no quinto curso de Jornalismo do Hospital do Câncer Mãe de Deus, em Porto Alegre. O objetivo foi a atualização de jornalistas sobre os principais temas do momento, em torno de fóruns mundiais e pesquisas, visando o combate à doença. O curso foi ministrado por oncologistas do hospital, como Dr. Carlos Barrios, que está à frente da instituição, Dr. Stephen Stefani, Dra. Patrícia Prolla e Dra. Cristina Brinckmann Oliveira Netto.
O evento ocorreu em paralelo ao 3º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do hospital, que reuniu profissionais do Brasil e de outros países para debater avanços em pesquisas clínicas em oncologia, tratamento nutricional do câncer, odontologia oncológica, radioterapia, psicologia e fisioterapia. Nesta edição, confira o trabalho que está sendo desenvolvido sobre pesquisa e os desafios para a próxima geração. Esta edição também aborda a genética como ferramenta para prevenção do câncer e avanços em oncologia.

Hospital do Câncer Mãe de Deus investe em pesquisas sobre genética
A abertura do evento com o Dr. Stephen Stefani foi sobre o cenário da saúde no Brasil. Instigando os jornalistas, o médico oncologista do Hospital do Câncer Mãe de Deus (HCMD) ressalta que um dos fatores de aumento da doença é que as pessoas estão vivendo mais tempo. "Quanto mais velho, mais chance de ter câncer. Estamos tratando as doenças cardiovasculares e dando expectativa de vida. Por este motivo, também há essa situação de aumento nos casos de neoplasias", destaca.
Stefani comenta que uma em cada nove mulheres terão câncer de mama com o decorrer dos anos. "Na verdade, isso é porque hoje as mulheres têm menos filhos e não amamentam tanto. Antigamente, as mães tinham 10, 12 filhos. Hoje, se tiver dois já é alto o número; ou seja, sem a estimulação, é maior o risco de ter câncer de mama", informa o oncologista.
O especialista também apresentou números, dizendo que estima-se, para 2030, 1,7 milhão de casos de câncer diagnosticados na América Latina e Caribe, e mais de um milhão de mortes no ano. Outro assunto abordado pelo médico foi a criação de novos medicamentos, com investimentos de 10 mil dólares em cada nova droga. Porém, ele afirma que hoje se preocupa menos com drogas e mais com mecanismos, pois há um grande avanço na área. "Temos, agora, uma série de terapias novas, com medicamentos orais. Também verificamos os benefícios; pois quanto mais tempo de vida, com qualidade, é melhor para o paciente e para todos", afirma o médico.
A segunda palestra foi proferida pelo diretor do hospital, Dr. Carlos Henrique Escosteguy Barrios, que abordou o tema 'Pesquisa em câncer: desafios para a próxima geração'. Ele destacou que o Rio Grande do Sul é o estado com maior incidência de novos casos nos últimos anos. "Acreditamos que isso deve ser pela nossa característica mais europeia", aponta o diretor.
Barrios informa que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a estimativa de incidência de câncer no mundo é maior em regiões desenvolvidas (América do Norte e Europa). Já no continente sul -americano, o Uruguai é o país com maior incidência.
O médico destaca que o maior vilão ainda é o cigarro. "Cerca de 30% das mulheres com menos de 15 anos estão fumando. Isso é preocupante para a nossa comunidade. Há também a questão da obesidade", salienta.
Outro destaque do diretor do Hospital Mãe de Deus foi que, nos últimos sete anos, em Porto Alegre, as mortes por doenças cardiovasculares apresentaram queda de 4,11%, enquanto as mortes por neoplasias (câncer) cresceram em 12,64%.
Barrios ressalta que descobrir novos tratamentos capazes de superar aqueles já existentes, além de imprimir inovação a medicamentos já consolidados, só é possível através de uma investigação minuciosa: a pesquisa clínica. "Através do desenvolvimento de novas formas para prevenir, diagnosticar e tratar o câncer, e através de estudos clínicos, podemos comprovar se novos tratamentos são seguros e/ou mais eficazes que os tratamentos atuais", esclarece o oncologista.

Projeto Cura
O diretor do hospital também apresentou o Projeto Cura, que tem como objetivo usar música, arte, design, esporte e eventos para conscientizar, educar e levantar fundos para a pesquisa científica na luta contra o câncer. Esta é uma iniciativa da Latin American Cooperative Oncology Group  (LACOG), organização sem fins lucrativos, fundada em 2008 por um grupo de profissionais de saúde especializados em oncologia, que têm como objetivo desenvolver, conduzir e coordenar estudos acadêmicos e pesquisas clínicas na América Latina.
A renda líquida derivada de todas as iniciativas do Projeto Cura será repassada para o desenvolvimento de pesquisas pela LACOG. As médicas Patrícia Prolla e Cristina Brinckmann Oliveira Netto explicaram para os jornalistas as novidades do momento, que é a genética como ferramenta para prevenção do câncer.
Cristina destaca que a Angelina Jolie foi a grande incentivadora de várias pessoas procurarem sua descendência genética. "Ela mostrou ao mundo que poderia prevenir, mesmo sem ainda ter, porque sua mãe e tia tiveram as doenças. Então, hoje, a comunidade procura mais saber a hereditariedade", afirma.
As médicas completam dizendo que nem sempre o câncer é hereditário. Há também questões ambientais externas, como fumo, obesidade e outros hábitos. Cristina informa que os fatores ambientais, ou seja, esporádicos, têm incidência de 70%, agregação familiar 15-20% e hereditariedade de 5-10%.

Diferença entre genético e hereditário
Genético quer dizer que existe uma alteração em um gene que causou uma sequência de eventos nas células de um órgão, que acabou causando o aparecimento de um tumor.
"A grande pergunta é se esta alteração nos genes ocorreu ao acaso (o que ocorre na grande maioria dos casos de câncer, especialmente quando o câncer ocorre em pacientes idosos) ou se foi herdada (ou seja, alteração genética passou de pais para filhos)", explica Cristina.
Hereditário significa que a alteração nos genes vem passando nas gerações, mas nem todos que herdaram a alteração terão câncer.
Patrícia contribuiu informando que o câncer hereditário ocorre frequentemente de forma mais precoce do que o câncer esporádico. "As pessoas que herdam uma alteração num gene podem ter um risco aumentado para mais de um tipo de câncer. Para sobreviventes de câncer, isto pode afetar as opções de tratamento da doença ou os cuidados de acompanhamento", ressalta, apresentando gráficos.

 

Câncer no Brasil: quantos casos são hereditários ?
Foram apresentados 21.234 novos casos hereditários em 2016
Pâncreas Endométrio Cólon Mama Ovário Próstata
Novos casos
2016 7.500 6.950 34.280 57.960 6.150 61.200
Hereditário 10% 7-10% 5 - 10% 10-15% 15-25% 5-10%
Casos
Hereditários 750 486 - 695 1719 - 3438 5796- 8694 922-1537 3060-6120

Profissionais bajeenses no Congresso Muldisciplinar
Parte da equipe do Centro Integrado de Oncologia e Mama (Ciom) e da Unidade de Oncologia e Alta Complexidade (Unacon) da Santa Casa de Bagé participou do 3º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Hospital do Câncer Mãe de Deus.
As equipes participaram de diversos painéis, cada um em sua área, distribuídos em curso de Enfermagem em Oncologia, curso de Pesquisa Clínica, Simpósio de Odontologia Oncológica, curso de Farmácia Oncológica, Jornada de Fisioterapia em Oncologia, Jornada Psico-Oncologia, Jornada de Nutrição Oncológica, Simpósio de Radioterapia e Física Médica, Simpósito em Câncer do Aparelho Digestivo, Simpósio do Câncer de Mama, Simpósio do Câncer de Pulmão, Simpósio do Câncer Urológico, Neuro-Oncologia, Cardio-Oncologia, Hematologia e Imunoterapia.
Os profissionais participantes foram: o farmacêutico João Giorgis, o farmacêutico e fisioterapeuta Rodrigo da Silva Netto, a técnica de Enfermagem Maria Patricia Netto Machado, a enfermeira Luciana Etchegaray Corrêa, a psicóloga Rosicler Camargo Marques, a nutricionista Tamara Arangurem Karam e o enfermeiro Diego Codevilla Teixeira, de Aceguá.


Por: Jornal Minuano

 
Pesquisar