José T. Giorgis

quinta-feira, 17 de novembro de 2016 às 0:00

A obra

- Amor, me empresta a revista, preciso obrar, grita o marido.
A frase aparenta episódio doméstico, talvez uma cena de novela; o verbo final, com certeza, é de pouco uso soando colonial ou do medievo. Em verdade, o diálogo traduz cena rotineira, possivelmente oriunda de anátema divino, isto é, a atávica submissão aos insultos intestinais.
A prepotência deste agir fisiológico, relegado a discretos capítulos em compêndios de ciências naturais e pouco reverenciado pelo saber acadêmico, encerra curiosas passagens em seu desenvolvimento nas cidades brasileiras.
Como demonstra a existência de casas e termas, o banho era costume entre egípcios e romanos, mas passou a ser tido como um pecado entre os cristãos, eis que culto ao corpo. Não se lavar era hábito europeu, contando-se que Luis XIV viveu mais de setenta anos sem molhar os pés; que Luís XV só se banhou antes de morrer e Maria Antonieta foi para a guilhotina invicta; diz-se que Napoleão insistia com Josefina para que não o fizesse, pois apreciava seu "perfume natural"  
O hábito, existente em Portugal, migrou para cá com a vinda da Família Real. A fedentina era horrível no Rio de Janeiro, a higiene paupérrima. Dom João VI, como sua esposa Carlota, não era chegado ao banho, ele gostava de comer frangos gordurosos e limpar as mãos na roupa ou na carapinha dos escravos (imagine como era o beija-mão). Pela má alimentação sofria de hemorroidas e flatulência, não tendo qualquer disciplina em perfumar o ambiente com seus gases soberanos.
As exigências intestinais eram depositadas em baldes, não havia banheiros, água encanada, bidês, chuveirinhos ou papel macio, tudo era despejado para a rua pelas janelas, e salve-se quem puder. Até que uma chuva sulfurosa atinge ao marquês do Lavradio, exatamente o vice-rei do pedaço, bem no momento que o dândi cortejava bela dama debruçada numa sacada; enfurecida a autoridade edita decreto determinando que, antes de lançar os projéteis o morador devia gritar "água vai", alerta depois transfigurado para "aí vai a obra". E a corruptela "obrar".
Durante certa Procissão do Divino, Dom João sentiu avisos intolerantes de imediata descarga de suas tripas verberando a difícil situação ao cocheiro que logo anuncia: "O rei vai obrar"; o cortejo estaciona, forma-se uma maciça parede encobrindo ao monarca que, socorrido com um penico, cumpre o dever imperial. Bem mais tarde surgem o abastecimento de água e a higiene pessoal.
Aqui não foi diferente. Os dejetos familiares eram entesourados em "cubos" recolhidos por carroceiros, e expurgados em lugares ermos da cidade nascente. Os cubos eram trocados periodicamente.
Os cubeiros, em geral escravos, eram também conhecidos como "tigres", pois tisnavam a pele escura com os salpicos do líquido amarelado que escorria dos recipientes.
Quem passou por manobra militar lembra que a primeira atividade no acampamento era escavar um profundo buraco, atravessado na superfície por tábuas, onde se equilibravam os obreiros.
Na campanha costuma-se praticar a "obra ecológica" em convênio com a natureza.


Por: José Carlos Teixeira Giorgis

 
Pesquisar