Norberto Dutra

sábado, 5 de novembro de 2016 às 0:00

Jesus nas sinagogas e as multidões

"Percorria Jesus toda a Galileia ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades entre o povo. E a sua fama correu por toda a Síria; trouxeram-lhe, então, todos os doentes, acometidos de várias enfermidades e tormentos: endemoniados, lunáticos e paralíticos. E ele os curou. E da Galileia, Decápolis, Jerusalém, Judeia e dalém do Jordão numerosas multidões o seguiam" Mateus 4: 23-25
Por aquele tempo, o Salvador dirigiu-se a Nazaré, a humilde aldeia em que havia sido criado. Ali, mais do que em qualquer outro lugar; Jesus queria derramar seus divinos favores. No entanto, era em Nazaré, sua cidade natal, onde se manifestariam suas primeiras fagulhas da oposição contra a obra redentora do Messias, estendendo-se, em seguida, por toda a Galileia e Judeia.
Jesus foi conforme a seu costume, a sinagoga onde tantas vezes tinha ido, a fim de ministrar estudo. Alguns ritos e procedimentos eram necessários obedecer. Uma vez que o líder da sinagoga e seus assessores oficiais ocupavam seus lugares na tribuna, o delegado da comunidade dava inicio as orações. Logo o texto sagrado era lido em hebraico, imediatamente era traduzida para o aramaico, língua falada na Palestina na época de Jesus.
No dia que o Messias honrou com a sua presença à sinagoga, tudo havia acontecido como o ritual ordenava, até que chegou o momento da leitura de um dos livros dos profetas. Nesse momento, Jesus se adiantou para ler, subiu lentamente os degraus da tribuna e ocupou o púlpito do leitor. Havendo desenrolado os pergaminhos, Jesus achou imediatamente uma preciosa profecia de Isaías que pinta com vivas cores a missão benfeitora e consoladora do Messias e sua compaixão pelos aflitos e humildes. Eis a profecia tal como a lemos em Lucas 4: 18-19.
"O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, envio-me a curar os quebrantados de coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor" O versículo 20 nos relata que o clima começou a ficar pesado, vejamos: "Tendo fechado o livro, devolveu-o ao assistente e sentou-se; e todos na sinagoga tinham os olhos fitos nele".
Certamente, aquele incidente causou estremecimento nos sábios e responsáveis pela sinagoga, todos ficaram estarrecidos sabendo de antemão o que na continuação Jesus diria. Na continuação desta emocionante história, que será na próxima semana, devo dizer que em todo tempo prepare o seu coração, pois o Senhor, certamente, lhe surpreenderá. Bênçãos do Altíssimo para todos. Obrigado pela honra da sua leitura. Abraços no amor do Eterno. Amém!


Por: Pastor Norberto Dutra

 
Pesquisar