Forte de Santa Tecla

sábado, 15 de outubro de 2016 às 0:00

A força das parcerias para desenvolvimento turístico

A importância de parcerias consolidadas favorece o alcance de resultados positivos. Aliás, a integração com representantes da sociedade é um dos dilemas da prefeitura para que o forte de Santa Tecla se torne um atrativo turístico e cultural.

A força das parcerias para desenvolvimento turístico

Por Yuri Cougo Dias*
Estudante de Jornalismo da Urcamp*


A importância de parcerias consolidadas favorece o alcance de resultados positivos. Aliás, a integração com representantes da sociedade é um dos dilemas da prefeitura para que o forte de Santa Tecla se torne um atrativo turístico e cultural.
Conforme a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Sandra Moraes, o projeto prevê ações em curto, médio e longo prazo. A primeira parte está relacionada à inclusão da comunidade, com visitações. É o caso da participação de escolas. Com foco no turismo, a titular da pasta aponta o agronegócio, a energia e a educação como setores a serem beneficiados durante o processo. "O projeto poderá gerar renda para as propriedades. As pessoas têm que abrir suas portas e acreditar. Todas as segundas-feiras, às 8h, acontecem reuniões na prefeitura com os envolvidos", salienta.

Rural jovem

Várias entidades e instituições da região estão engajadas na iniciativa. Cada uma assumiu uma função. O segmento cultural fica por conta do grupo "Rural Jovem", vinculado à Associação e Sindicato Rural. O projeto Memorial Gaúcho, coordenado por Flávio Cantão, conta episódios históricos do Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina. Desde o início de setembro, está em fase de elaboração um espetáculo teatral sobre o Forte de Santa Tecla. "Na Argentina é apresentada a ópera pampa, que conta a história do País. Queremos fazer com que aquele importante local seja lembrado", destaca.
Cantão comenta que a primeira peça será apresentada no dia 23 de outubro, no lançamento do projeto. Futuramente, outras exibições deverão ser feitas em datas importantes. "Vamos tentar levar algumas escolas para assistirem. Todo produto precisa de um envolvimento para dar certo. Nossa carne, por exemplo, é vendida pela cultura, história e turismo local. Para materializar aquele forte temos que nos unir", ressalta.

Pequenos produtores

Com a valorização dos arredores do forte, a expectativa da administração municipal é de que os pequenos e médios produtores rurais sejam beneficiados com a movimentação turística. Esse trabalho é conduzido pela Emater/RS. De acordo com a técnica-social Ana Rosa Sonáglio, um contato entre a entidade e a Associação de Moradores e Produtores de Olhos D'Água e arredores já foi estabelecido. "Acertamos para que, no dia 23 de outubro, os produtores estejam expondo seus alimentos tradicionais. Queremos integrar a comunidade e que as pessoas conheçam as propriedades que ficam no entorno. O principal objetivo é turismo, geração de renda e inclusão", observa.
Dentro da associação, a luta é para obter um número considerável de produtores adeptos à causa. Segundo o presidente João Carlos Pinto, a entidade conta com aproximadamente 40 atuantes. Queijo, leite e frutas são os principais alimentos gerados na região. "Temos que trabalhar para que o pessoal abrace o projeto, mas nem sempre isso é fácil. Por outro lado, já há uns quantos interessados em fazer parte da associação. A ideia é muito boa. Vai alavancar todos os arredores", entende.

Roteiro

Com toda mobilização em andamento, um roteiro turístico será implementado pela Associação Pampa Gaúcho de Turismo (Apatur). A presidente da comissão provisória da associação, Sandra Telles, destaca que o trabalho vai abranger todos os demais envolvidos. "Será um 'guarda-chuva' das demais áreas. Exploraremos desde o Cemitério dos Anjos até o museu. Isso é um trabalho de médio e longo prazo. O roteiro tem que ir de acordo com o andamento da revitalização. Vamos fazendo na medida em que as coisas vão sendo feitas", frisa.


Por: Yuri Cougo Dias

 
Pesquisar