Renato Marsiglia

segunda-feira, 19 de outubro de 2015 às 19:21

Renato Marsiglia

Inter: vitória da marcação

Argel conseguiu neste jogo posicionar o time de forma mais compacta, adiantando a marcação e não deixando o Flamengo jogar. Partida sem emoção, vimos apenas a bola na trave de Guerreiro e o gol de Ernando, no único chute do Inter. Sorte? Pode ser, mas não tomar gol foi competência defensiva que obviamente é o primeiro passo para não perder. O Inter segue vivo, e o Beira-Rio deve voltar a rugir na partida contra o Joinville do próximo sábado.

A propósito...
A vitória recolocou o time na linha de tiro do G-4. A diferença para o quarto colocado continua de dois pontos, mas uma rodada a menos para buscá-los. Não será fácil, pois Santos (4º) e Palmeiras (5º) voltaram a vencer e o São Paulo (6º) mesmo em crise, tem time. Há ainda a possibilidade de terminar em quinto e torcer para que o quarto colocado seja campeão da Copa do Brasil, garantindo assim a vaga na Libertadores/2016. Vai ser sofrimento até o fim!

Grêmio: derrota para a soberba
O time de Roger Machado entrou em campo mentalmente com o jogo ganho. A Chapecoense não seria adversário para quem havia vencido o Santos três dias antes. Após fazer 2 x 0 no primeiro tempo, os jogadores foram para o vestiário certos de que voltariam apenas para deixar o tempo rolar e correr à tesouraria no final do jogo para buscar o "bixo". Pura soberba e uma certa falta de respeito com o adversário. No Brasileirão ninguém vence por antecipação.

Por falar nisso...
A situação ainda é confortável para permanecer no G-4, mas a gordura acumulada pode ser perdida em dois ou três maus resultados. Os próximos jogos serão contra Vasco da Gama (F), Flamengo (C) e Sport (F) e Fluminense (C). Todos "carne de pescoço". Como os adversários para o G-4 não vencerão todos seus jogos, destes doze pontos, o Grêmio terá que somar pelo menos sete ou a derrota para a Chapecoense poderá provocar choro e ranger de dentes.

Epopeia xavante
O Brasil-PE encarou mais de sessenta mil torcedores no Castelão e agora é o Rio Grande do Sul na Série "B". O clube pelotense agora sobe de patamar e o primeiro passo é remodelar o lendário Estádio Bento Freitas para as exigências de uma Segundona Nacional. Reforçar o time também será fundamental para não correr o risco de cair já no primeiro ano. Para isto é importante um trabalho criterioso, sem atirar-se nos braços de empresários espertalhões interessados apenas nas novas e generosas receitas do clube.

Erechim também está em festa
O Ypiranga do competente técnico Leocir Dall'Astra fez história ao alcançar a Série"C". Decidir nos pênaltis foi a cereja do bolo e teste para cardíacos. É o início de uma caminhada que poderá levar o time de Erechim à Série "B". Possui um ótimo estádio, que com alguns acertos ficará entre os melhores do Brasil (fora os grandes clubes), além de uma direção que tem trabalhado com os pés no chão. A subida do clube vem acontecendo de forma gradual, mas firme, com planejamento e visão de futuro. É bonito ver nosso interior mostrar sua força.


Por: Renato Marsiglia

 
Pesquisar