Celito De Grandi

terça-feira, 15 de julho de 2014 às 8:01

Uma Copa para todos os gostos

E a Copa do Mundo da Fifa, afinal, aconteceu.

Para todos os gostos.
Como no interior das Arenas, também fora de campo houve vencedores e derrotados.
Hotéis, bares e restaurantes foram os que mais lucraram. O comércio, em especial, e os serviços, de modo geral, os que mais perderam. Nunca ouvi os taxistas reclamarem tanto: os fregueses de sempre não saíram às ruas e os visitantes optaram por locomoções mais em conta.
Nas arquibancadas, gente bonita de todas as nacionalidades e um espetáculo inesquecível da torcida brasileira cantando à capela o Hino Nacional. Uma festa.
Nos acampamentos e fan fests, muita bebida e muito sexo, tanto que já se fala na "geração da copa" para daqui a nove meses.

"Como eu disse"
Assisti à maioria das partidas (algumas excelentes), pelos canais da Fox Sports. Eles contrataram uma respeitável equipe de técnicos de futebol e, pensei eu, seria uma rara chance de aprender mais sobre regras, táticas e "escolas" de futebol.
Nada disso. Além dos mútuos elogios, o que mais se ouviram, foram frases na linha do "como eu disse", "conforme prevíamos", "como havia alertado", etc., etc.
Menos mal, que também selecionaram um excelente time de novas apresentadoras dos noticiários esportivos, incluindo algumas comentaristas de boa estreia.

Nacional x Importado
Acontecimento do porte de uma Copa propicia piadas inteligentes e fatos inusitados não faltaram, também, desta vez.
A historinha a seguir é verídica, aconteceu com pessoas que conheço.
Duas jovens trocam mensagens de celular, até que uma faz um convite: vamos à Fifa Fan Fest, no Anfietrato Por do Sol, para "pegar uns gringos".
Uma terceira, que observava a cena, disparou:
- Olha a coragem! Essas não "pegam" nem produto nacional, querem logo "pegar" importado.


Por: Celito De Grandi

 
Pesquisar